sábado, 14 de novembro de 2009

Aventuras da Vida Cotidiana: Restaurante Universitário

Desde que comecei a trabalhar, almoço em casa é uma coisa que não me pertence mais.
Escolher sobremesa? Não mesmo.
Soneca de tarde? Muito menos.

E nessa de falta tempo, falta dinheiro, falta VT, todos nós universitários da UFRGS somos obrigados a compactuar com o famosíssimo RU. Por vezes chamado 'bandejão', e pelos mais carinhosos, "Le Bistrô RU", o restaurante universitário salva os almoços dos desdinheirados. Por módicos R$1,30 sem suco (radioativo?) ou R$1,60 com, resolvemos o problema fome.
Mas isso não anula toda a aventura que é comer por lá.
Logo na chegada, uma fila que usualmente dobra o quarteirão te aguarda. Se não ocorre a sorte de um conhecido ali pelo meio, deve-se ir até o final - no Campus do Vale, chega-se a caminhar alguns quilômetros.
De passinho em passinho chegamos à entrada, onde agora, misteriosamente, seguranças da Polícia Federal se posicionam. Ameaça-bomba por parte do DCE? Sabe-se lá.
Depois de pagar com mil moedinhas, passar a catraca, lavar as mãos com sabonete líquido quardado em GARRAFAS DE VINAGRE, pegamos nossa querida bandeja, escolhemos os talheres menos amassados, e dá-lhe bufê!
Normalmente, os nomes apresentados para os pratos nos lembram um restaurante muy chique:
Cless, Strogonoff, Bife Acebolado, Iscas de Frango ao Molho Mostarda.
Considerando-se que hamburguer com cebola picada faz às vezes de bife acebolado, calculem o resto.
Entre pregos e chumbinhos, fazemos nossa refeição sentados nas mesas dispostas de forma caótica pelo recinto: é necessário um equilíbrio digno de Cirque du Soleil pra desviar de todas as cabeças.
Em um momento final, depois de comer atirando coisas de cá pra lá da bandeja, joga-se copos e guardanapos no lixo, talheres em recipiente separado, bandejas empilhadas no balcão (uma vez, larguei por acidente os talheres junto à bandeja - recebi um sonoro "TU TÁ ATRAPALHANDO O SISTEMA!") O negócio por lá é organizado.

Por sorte, universitários são como ratinhos, se adaptam facilmente a qualquer ambiente.

Ah, adoro o RU.

6 comentários:

lfaguinsky disse...

O RU é um lugar mágico. O suco desobedece a Segunda Lei da Termodinâmica. Tenho certeza que todas as carnes vêm da mesma fonte, e eu sou muito feliz sem saber qual é. Como eu sou partidário da teoria/método alimentício chamado "Mistura e Iguala a Zero", uma antecipação do próprio bolo alimentar, sempre fica gostoso. Ou, sempre com o mesmo gosto.

Mas quando tem strogonoff/goulash/gosma é uma delícia!

Junges disse...

Na verdade, os ratinhos diriam que os seres humanos são seres muito adaptáveis e se adaptam a várias circunstâncias. Mas jamais - JAMAIS - são como os ratinhos, criaturas infinitamente superiores e mais inteligentes que os seres humanos.

Sugiro "O Guia do Mochileiro das Galáxias" como leitura esclarecedora.

Abs,

TInGa

Alexandre Copês disse...

Bom, falar sobre isso tudo é pensar especialmente no dedo da pessoa que serve o suco, isso é o que resulta como mais sublime, visto que o arco-íris que se esconde embaixo de sua unha, é devido ao fato de o seu dedo servir como barômetro a todos os copos de sucos, seja laranja, uva ou pinho sol... logo, levamos literalmente, o dedo dessa pessoa dentro dos nosso estômagos; sem dúvida uma honra...quanto amor dela por nós!

amnd disse...

acho super válida a experiência. dialoga muito com todo o campo universitário.

Leonardo Pradella dos Santos disse...

uma fila de sabor hehhee
experimente o ru da saúde... o vinagrete é batido no liquidificador, os talheres são novos, as bandejas vem quentes (e a comida tbm!) e sempre tem sobremesa até o final, ao invés de laranjas para os atrasados...

http://www.deixaajanelaaberta.blogspot.com/

Gui disse...

hu! Meu (tá não é bem meu, as pessoas envolvidas estão nos créditos) vídeo circulando na net!